Servo Inútil /
E vós tendes a unção do Santo - e sabeis tudo.

Cléber

* Date: 2012-08-18 * Modified: 2018-10-21 03:07:08, 2018-11-30 16:12:23 **1 João 2:20** É caso comum ouvir-se sobre **unção** nas igrejas evangélicas modernas. Entretanto, parece-me que seu uso fica restrito somente às igrejas pentecostais. Não consigo lembrar, particularmente, de ter ouvido falar sobre unção dos crentes dentro de uma igreja reformada. E isso me preocupa. Em primeiro lugar, me preocupa porque a unção mencionada nesse texto **é um dos aspectos mais belos da vida cristã**. É um assunto digno de ser estudado e compreendido, com o propósito de levar os crentes mais próximos ao pleno conhecimento de Deus e também a **humilharem-se diante de Deus**, gratos por sua graça sem par. E por que isso nos leva a humilharmo-nos? Porque a unção — o derramar de óleo sobre nossas cabeças — tem um significado muito claro: ``` E cantavam um novo cântico, dizendo: Digno és de tomar o livro, e de abrir os seus selos; porque foste morto, e com o teu sangue compraste para Deus homens de toda a tribo, e língua, e povo, e nação; E para o nosso Deus os fizeste reis e sacerdotes; e eles reinarão sobre a terra. — Apocalipse 5:9–10 ``` **Fomos comprados por preço**, o que faz de nós *escravos* de Cristo. Entretanto, fomos também feitos *reis e sacerdotes*. Isso não é maravilhoso? Como pode alguém manter-se em pé diante do Cordeiro à vista de tão grande presente, diante de algo **tão imerecido** e tão proveniente tão-somente do bom propósito de sua vontade? Mas essa unção não representa apenas um ritual de nomeação, como era com os reis e sacerdotes. Vejamos o que mais João nos diz: ``` E a unção que vós recebestes dele, fica em vós, e não tendes necessidade de que alguém vos ensine; mas, como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis. E agora, filhinhos, permanecei nele; para que, quando ele se manifestar, tenhamos confiança, e não sejamos confundidos por ele na sua vinda. Se sabeis que ele é justo, sabeis que todo aquele que pratica a justiça é nascido dele. — 1 João 2:27–29 ``` ## E a unção fica em vós João está tratando da questão da apostasia, ou seja, daqueles que estavam no meio da Igreja mas a abandonaram seguindo outros ensinamentos (ou, simplesmente, seguindo suas próprias barrigas). E aqui o apóstolo demonstra sua confiança no chamado eficaz e na perseverança dos santos. Ele declara que a unção que os santos receberam não escorre de seus cabelos para os pés e, então, para o chão, como acontecia no passado. **Essa unção é diferente, porque fica em nós**. Ou, como também podemos interpretar, os ofícios que recebemos de Cristo não são retirados de nós, pois nossa unção é verdadeira. Você consegue lembrar de Davi sendo perseguido por Saul? Não é à toa que ele negou-se mais de uma vez a levantar a mão “*contra o ungido do Senhor*”. Isso não foi somente para o bem de Saul, mas para nos ensinar. ## E não tendes necessidade de que alguém vos ensine João **não está dizendo** que o crente, ao ser ungido (o que ocorre quando ele nasce novamente), ganha conhecimento de **toda** a doutrina bíblica. O que ocorre é que essa unção tem o efeito de nos **predispor a seguir aquilo que vem de Deus**. O entendimento é **esclarecido, iluminado**, de forma que possamos discernir entre o que vem de Deus e o que é invenção humana. ## Estar ciente de ser um ungido do Senhor leva-nos a permanecer em Cristo Não que a perseverança dos santos não seja uma obra divina. Mas quando os crentes tem consciência de serem, assim como o próprio Cristo, ungidos do Senhor, suas mentes e corações inundam-se de temor, responsabilidade e de anseio por agirem de maneira digna de seu maravilhoso dom. A ignorância, a debilidade (fraqueza) e dependência são coisas de escravo. Mas, além de escravos de Cristo, também somos reis e sacerdotes, e por Ele temos ousadia, coragem, sabedoria e confiança e podemos, então, reinar sobre a terra. # Conclusão Nós, reformados, não podemos deixar de lado o assunto de sermos ungidos com a unção de Cristo, como se “unção” fosse “*terminologia de igreja pentecostal*”. **É glorioso que sejamos feitos reis e sacerdotes**. Isso nos inspira e nos constrange a buscarmos a santidade com mais afinco, além de encher nossos corações de alegria e louvor.

Curti

44 visitantes curtiram esse Item.

Anterior: A Escola Bíblica Dominical - Algumas questões sobre como lidamos com ela | Próximo: O novo tipo de “louvor”